Advogada orienta atletas, artistas e empresários, a conquistarem o sonho de viver legalmente nos Estados Unidos

 A especialista em imigração, aponta os requisitos necessários para que profissionais com habilidades extraordinárias possam viver legalmente no país

Os vistos que permitem cidadãos brasileiros a morar e trabalhar legalmente nos Estados Unidos são inúmeros, porém específicos para cada atividade, situação e objetivo. Atletas, músicos, artistas e empresários, têm muitas chances de atuar como profissionais em território americano, recebendo por seus trabalhos de maneira segura e oficial. Na maioria destes casos, o visto O-1 é o mais indicado, segundo a advogada especialista em vistos de trabalho e Green Card, Gisele Ambrósio.
De acordo com a Embaixada Americana no Brasil, profissionais com habilidades extraordinárias nas áreas de ciências, artes, educação, negócios e atletismo ou em produção de televisão e filmes e sua equipe de apoio essencial, se qualificam para o visto O-1. Sendo assim, para aplicar para esta categoria, é necessário que o candidato apresente uma série de provas que comprovem o seu destaque na sua respectiva área de atuação.
– Se for no esporte, solicitamos que o atleta tenha provas de que já venceu várias competições (nacionais ou internacionais). Comprovação de que já serviu como juiz em competições, também é válida. Porém, cabe a todos os profissionais de habilidades extraordinárias apresentarem comprovantes de presença na mídia, como matérias jornalísticas e anúncios publicitários. Cópias de contratos anteriores com patrocinadores de nome, documentos que confirmem participação em eventos de grande porte são importantes. Além disso, é fundamental que tenha um patrocinador ou um agente nos EUA que queira levá-lo para trabalhar através do visto O.
– explica a advogada.

Advogada Gisele Ambrosio e sua cliente Letícia Bufoni (Skatista profissional radicada na Califórnia)

Já o visto P, pode ser uma alternativa àqueles que ainda não tenham conquistado tal notoriedade dentro da sua atividade, pois os requerimentos são mais leves, comparados aos do visto O. “Esse visto serve para atletas individuais, para times ou grupos de artistas, como uma banda, por exemplo. Ainda assim, a equipe também irá necessitar um patrocinador americano para assinar o pedido do visto”, esclarece Dra. Gisele.
Quanto ao tempo de permanência nos Estados Unidos, o visto O é concedido, inicialmente, por no máximo 3 anos, de acordo com a duração do contrato com o patrocinador americano. Já o visto P tem a duração inicial de no máximo um ano, e varia conforme a duração do evento ou competição para o qual o profissional irá participar.

Segundo Gisele Ambrósio, os profissionais com habilidades extraordinárias têm a possibilidade de pedir extensão dos vistos. E ainda, a viabilidade de aplicar para o Green Card, no futuro. Advogada atuante há 16 anos na Califórnia, Gisele é responsável por levar à Terra do Tio Sam diversas personalidades, como os skatistas brasileiros, campeões mundiais, Kevin Hoefler e Letícia Bufoni, bem como os músicos Supla e seu irmão João Suplicy, entre outros nomes de diferentes partes do mundo, cuidando pessoalmente de cada caso, do começo ao fim. Em 2018, a taxa de aprovação do seu escritório foi de 100%.