Entenda que são os emaranhamentos: Pense na seguinte comparação:

multa x emaranhamento

* Por Cláudia Fortuna – Consteladora Familiar, Empresarial, Administradora de Empresas e escritora

Cláudia Fortuna

  Quando alguém está dirigindo um carro e é multado por um radar por exemplo, a multa vai para o nome do proprietário do veículo e não ao motorista. Existe a possibilidade do infrator, dentro de um prazo determinado, assumir a responsabilidade e transferir os pontos para a sua carteira de motorista. Caso o infrator não assuma, a multa será cobrada do proprietário do veículo.
Em nossa vida também é assim. Pertencemos a um clã em que os emara-nhamentos funcionam de forma semelhante às multas de trânsito.

Os emaranhados em nossas vidas também são assim. O proprietário do carro equivale ao clã. Para o departamento de trânsito não importa muito quem cometeu a infração, se o proprietário do carro ou outra pessoa sob sua autorização. A multa tem que ser paga de uma forma ou de outra. A cobrança é inevitável. Se uma só pessoa vai assumir, pagar e contabilizar os pontos na sua carteira de motorista, se irão dividir entre várias pessoas, se ignorarão a multa e venderão o carro, nada disso importa, pois o comprador do carro também terá que pagar as multas.

Esse novo proprietário equivale as novas gerações. Como o novo dono do carro é forçado a assumir as dívidas e débitos anteriores, às novas gerações carregam muitas vezes o que não foi resolvido anteriormente.
A constelação atua de forma, quando possível, a identificar o infrator e possibilitar que ele assuma, deixando dessa maneira que os novos donos vivam liberados do ônus. Alguns insistem em pagar pelos outros. Assim carregam algo pesado pelos demais. O livre arbítrio é dele.
O importante é que em algum momento o que ficou mal resolvido seja visto, assumido e pago. Assim fica encerrado o débito.

Esse novo proprietário equivale as novas gerações. Como o novo dono do carro é forçado a assumir as dívidas e débitos anteriores, às novas gerações carregam muitas vezes o que não foi resolvido anteriormente.
A constelação atua de forma, quando possível, a identificar o infrator e possibilitar que ele assuma, deixando dessa maneira que os novos donos vivam liberados do ônus. Alguns insistem em pagar pelos outros. Assim carregam algo pesado pelos demais. O livre arbítrio é dele.
O importante é que em algum momento o que ficou mal resolvido seja visto, assumido e pago. Assim fica encerrado o débito.